Dica de filme: Meu nome é Khan

Hoje trago mais uma dica de filme e esse é sensacional! Meu nome é Khan. O título original é My Name is Khan and I’m not a terrorist ou Meu nome é Khan e eu não sou um terrorista, que é um nome bem mais completo e que fala muito sobre a história do filme.

Meu nome é Kahn é de 2010 e é um filme indiano, estrelado por Shahrukh Khan, que é “o rei de Bollywood”. Alguma coisa como Brad Pitt, sabe? Só que lá da Índia. E Kajol, que é outra super star pelos lados de lá faz par romântico com ele – ô mulher linda!!!

A história conta a vida de um homem com Síndrome de Asperger, que é um tipo de Autismo que é muçulmano, se casou com uma mulher hindu e moram no estados Unidos. E conta sobre a onda de preconceito contra muçulmanos no período pós 11 de setembro. É basicamente um compilado de histórias reais de muçulmanos que sofreram nos Estados Unidos na vida de um único personagem que é doente: Rizwan Kahn. Além da história de amor, lógico!

O filme é uma aula de humanidade, de amor e nos ensina muito sobre como a comunidade muçulmana ainda hoje sofre no mundo todo pelo preconceito incutido pela mídia e cultura norte-americana. Kahn é um cara incrível que passa muito perrengue simplesmente porque professa a mesma fé de um grupo de loucos que explodiu as torres gêmeas. Vale demais a pena ver e, se você for como eu, VAI CHORAR! Muito amor envolvido!!!

Para quem assina Netflix fica a dica porque tem lá!

Tentei encontrar um trailer com legendas, mas não deu. Então segue sem legenda mesmo!

 

Vocês gostam de filmes indianos? Todos os que vi até hoje (não foram muitos) eram ótimos e tô querendo ver mais!

Beijinho!

logo mag

Dica de filme: Histórias Cruzadas (The Help)

Hoje venho dar a dica de um filme que todo mundo deveria assistir: Histórias Cruzadas (The Help).

Baseado no livro de mesmo nome de Kathryn Stockett, conta a história da vida de empegadas domésticas afro-americanas na cidade de Jackson, no Mississipi, nos anos 1960, auge dos movimentos por igualdade racial e direitos civis nos Estados Unidos. Na história Skeeter (Emma Stone), uma mulher branca fora dos padrões para a época (preparada para casar e ser dona de casa) quer ser jornalista e escrever um livro mostrando como é a realidade das mulheres negras em pleno período da Segregação Racial institucionalizada: sem direitos trabalhistas, sob constantes humilhações e sem quaisquer direitos que as resguardassem. O termo “Separados mas iguais” que vigorava no período é amplamente abordado na história, mostrando repetidamente como “pessoas de cor” eram tratadas, como por exemplo a proibição do uso do banheiro pelas empregadas.

O filme não é novo, foi produzido em 2011 sob a direção de Tate Taylor e conta com muita delicadeza especialmente a vida das empregadas Aibileen (Viola Davis) e Minny (Octavia Spencer), que resolvem se unir à Skeeter para contarem o que passam de bom e ruim. Há referências também ao Ku Klux Klan (KKK), um grupo de extrema-direita que pregava a supremacia branca e o protestantismo e usava da violência contra negros na década de 1960 no sul dos Estados Unidos.

Se você gosta de filmes com temática histórica e de se emocionar, assista! E leve lenço porque é para chorar! Além de divertido, inteligente e interessante, Histórias Cruzadas serve para nos lembrar o que não pode acontecer novamente.

Fiquem aqui com o trailer:

 

Espero que gostem!

logo mag